terça-feira, 31 de dezembro de 2013

"PERNILONGO DE COSTAS BRANCAS"...AVE DE NÚMERO 171 do DOSSIÊ FAZENDA MODELO.





ESTA AVE FOI VISUALIZADA NO ÚLTIMO DIA DO ANO DE 2013 ÀS 15 HORAS, QUANDO ESTAVA  POUSADA NO JARDIM DO TREVO DE ENTRADA EM PEDRO LEOPOLDO.


Nome Científico: Himantopus himantopus melanurus  ...AVE  MUITO RARA E QUE CONSTA NA LISTA DAS ESPÉCIES AMEAÇADAS DE EXTINÇÃO.

      ESTA LINDA AVE MUITO RARA DE SER VISUALIZADA, NOS VISITA NOS FINAIS DE ANO EM PEDRO LEOPOLDO...O PERNILONGO DE COSTAS BRANCAS JÁ FOI CATALOGADO NO PARQUE ESTADUAL DO SUMIDOURO EM QUINTA DO SUMIDOURO, NA REGIÃO ENTRE PEDRO LEOPOLDO E LAGOA SANTA (MINAS GERAIS).

    ESTA AVE É MIGRATÓRIA E VIVE MAIOR PARTE DO ANO NA AMÉRICA DO NORTE E OESTE DA AMÉRICA DO SUL.
   O LINK ABAIXO NOS REMETERÁ, CASO SEJA ACESSADO, A UM ESTUDO FEITO NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, E PUBLICADO NA REVISTA ONLINE: 
                                  "ATUALIDADES ORNITOLÓGICAS"  http://www.ao.com.br/


    NESTE MESMO ESTUDO, PESQUISADORES LIGADOS À FIO CRUZ DO RIO DE JANEIRO, AFIRMARAM O PERNILONGO DE COSTAS BRANCAS INVADINDO A CIDADE DO RIO DE JANEIRO, COISA MUITO RARA, POIS A AVE ERA MUITO ARREDIA A CONTATOS COM AMBIENTES URBANOS E MUITO MODIFICADOS. ISTO ACONTECEU DEVIDO AO AVANÇO DAS DEVASTAÇÕES DE ÁREAS DE FLORESTAS NATURAIS NO BRASIL E NA AMÉRICA DO SUL, PRINCIPALMENTE ASSOCIADAS A AÇÕES NÃO SUSTENTÁVEIS DEPREDATÓRIAS DE ATIVIDADES AGRO-PASTORIS...

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:
*Lima, LUCIANO MOREIRA.  O PERNILONGO NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO...REVISTA ATUALIDADES      ORNITOLÓGICAS. ANO DE 2009. RIO DE JANEIRO.









"GARÇA AZUL"...AVE DE NÚMERO 170 do DOSSIÊ FAZENDA MODELO...

  Nome Científico: Egretta caerulea ,  AVE confirmada no WIKI AVES na região do entorno de LAGOA SANTA em MINAS GERAIS.

                                    GARÇA AZUL JOVEM...

    AVE MIGRATÓRIA, que pode ter vindo dos Estados Unidos para o refúgio da FAZENDA MODELO em PEDRO LEOPOLDO e região, onde NIDIFICA. Chega a medir até 52 cm de comprimento. Quando adulta apresenta uma plumagem cinzento-azulada(azul-ardósia) com cabeça e pescoço violáceos, bico, tarso e dedos anegrados. Quando juvenil é branca, passando por um estágio de transição “malhado”. UMA DESTAS GARÇAS AZUIS TINHA ESTA COLORAÇÃO JUVENIL, COM O BRANCO BEM VISÍVEL NAS ASAS AO VOAR.
  A garça-azul é uma ave ciconiiforme da família Ardeidae. Conhecida também como garça-morena (Pará) ou garça-cinzenta (Recife, Pernambuco).
  Seu nome significa: do (francês) aigrette = garça; e do (latim) caeruleus = azul, azul escuro, azulado. ⇒ garça azul..
    Alimenta-se de pequenos invertebrados e peixes.
   Vive sozinha ou em grupos espaçados de 2 ou 3. Seus ninhos  são plataformas construídas de gravetos, geralmente em manguezais, localizados de 1 a 3 m acima da linha d'água. Põe de 2 a 5 ovos azuis.

                                     GARÇA AZUL ADULTA...

  Na Fazenda Modelo em PEDRO LEOPOLDO (MINAS GERAIS), A GARÇA AZUL foi visualizada sempre solitária, sendo que várias vezes foi vista voando sobre as matas bem próximas ao RIBEIRÃO DAS NEVES. Outra vez foi vista, com binóculo (IDENTIFICAÇÃO SECUNDÁRIA, segundo o órgão oficial de registro de AVES no BRASIL, baseado ainda no estudo feito por SICK, entre os anos 50 e 60 no BRASIL),  pousando na CAPINEIRA, muito rica em CAPIM BRAQUIÁRIA, bem próximo do bambuzal localizado junto à estradinha de terra antiga que levava até a pinguela em SANTO ANTÔNIO DA BARRA... 
  Habita manguezais e lamaçais do litoral, os quais explora nos momentos de maré baixa, além de alagados, rios e lagos, sendo mais comum em áreas costeiras. No Brasil E. caerulea é mais freqüente nos manguezais, ambientes que representavam os únicos locais conhecidos de reprodução dessa espécie no país.
Presente em todo o litoral brasileiro, Pantanal e Bacia Amazônica. Encontrada também desde o sul dos Estados Unidos e América Central até a Colômbia, Peru, Chile e Uruguai.

  
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

domingo, 22 de dezembro de 2013

""IRERÊ"". AVE DE NÚMERO 169 DO DOSSIÊ FAZENDA MODELO....

 Nome Científico:  Dendrocygna viduata.


                                                   REVOADA DE IRERÊS...


     Na cidade PEDRO LEOPOLDO ( Minas Gerais), os cantos dos IRERÊS durante as noites e madrugadas de quem mora no bairro MAGALHÃES, pode ser traduzido como: 

                                    "O SOM DAS MADRUGADAS"...
   Durante o cair das tardes, sobrevoando a região urbana da cidade, mais para o lado da BR 424, os bandos de milhares de IRERÊS, podem ser visualizados e chega a encantar, pelo padrão de vôo regular e organizado  exibido, em forma de um grande V. Dizem alguns ETIOLOGISTAS, que o padrão V, permite uma aerodinâmica do VÔO mais adequada para o menor gasto de energia e melhoria da eficiência das migrações, curtas e longas pelo BRASIL.

MÚSICA IRERÊ DE AUTORIA DE CÉSAR COSTA FILHO.

Irerê, pássaro cativo 
Irerê, braço de galé 
Irerê, negro fugitivo 
Irerê, príncipe-guiné

Ferro quente, faz sinal 
Marca de "sinhô" qualquer 
Irerê parte o grilhão 
Mata um montão 
Cai do porão 
Na maré

Irerê, pássaro proscrito 
Irerê, revolta a ralé 
Irerê, chamado maldito 
Irerê, do Abaeté

Mato virgem, palmeiral 
Negro, macho, finca o pé 
Irerê cerca o rincão 
Chama os irmãos 
Funda a Nação 
Do Povo Axé!

Irerê, pássaro caçado 
Irerê, pelos "coroné" 
Irerê, com seus comandados 
Irerê, no Abaeté.

Luta armada, marcial 
Luta quem ser livre e quer 
Mas é mil contra um milhão 
Soa canhão, tomba no chão 
O rei-guiné.

Irerê, passarinho morto 
Irerê, filhos de Quelé 
Irerê, mas Guiné tem outro 
Irerê seu filho Ireré.

Irerê, pássaro cativo 
Irerê, pássaro proscrito 
Irerê, pássaro caçado 
Irerê, passarinho morto.

  O Irerê é uma ave anseriforme da família Anatidae. Também conhecido por paturi, marrecão (Rio Grande do Sul) siriri, marreca-viúva, marreca-piadeira e na região de Pombal Paraíba é conhecida como marreca-viuvinha.
ETIMOLOGIA DO NOME CIENTÍFICO ( Dendrocygna viduata): 
Do (grego) dendros = árvore; e cygna, cygnus = referente ao cisne; 
E do (latim) viduata, viduare, viduus = viúva, em luto, enlutada). 
 (cisne de luto que pousa nas árvores).
   Provavelmente nosso pato mais bem conhecido, seja pela sua beleza, pelo fato de se aproximar muito das áreas urbanas e pelo seu canto típico. É a sua vocalização que lhe empresta o nome irerê ou paturi, muito agudo e alto, lembrando o barulho de alguns apitos ou o som de brinquedos de borracha.
  A máscara branca na face contrastando com o pescoço negro e o bico chumbo torna esta espécie inconfundível. O peito é castanho e o resto do corpo é finamente estriado em branco e preto. Quando em vôo é possível ver as asas escuras.

  Assim como outros marrecos alimenta-se basicamente de plantas submergidas e gramíneas nas margens dos lagos, mas também come invertebrados aquáticos, pequenos peixes e girinos.
O ninho é construído no chão. A fêmea bota de 8 a 14 ovos, sendo que o macho pode ajudar a chocar. Ambos cuidam dos filhotes.
  É encontrado em quase qualquer corpo d'água ao longo de sua ampla distribuição que vai da Argentina até a América Central e curiosamente também ocorre na África Ocidental. Pode ser encontrado até mesmo em lagos poluídos. É mais ativo nos crepúsculos e a noite. Não é raro ouvir o piado desta ave a noite sobrevoando até mesmo grandes cidades em bandos. Chega a formar bandos de várias dezenas de indivíduos, principalmente durante as migrações sazonais que realiza no sul do país.
  
 
Presente em todo o Brasil.

  
REFERÊNCIAS BILBLIOGRÁFICAS:

sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

""PULA PULA DO BAMBU""... AVE DE NÚMERO 167 do DOSSIÊ FAZENDA MODELO.

  Nome Científico:  Basileuterus culicivorus:  Significado ETIMOLÓGICO: ave vestida como um rei devoradora de mosquitos...FOTO DO MACHO: 



                                                      FOTO DO PULA PULA JOVEM...

  

  O pula-pula (Basileuterus culicivorus) é uma ave  da ordem Passeriforme  e da família Parulidae. Recebe este nome por ser considerado um pássaro inquieto que tem o hábito de pular incansavelmente. Também é conhecido por sebinho.
 Nome Científico: ⇒ Basileuterus culicivorusave vestida como um rei devoradora de mosquito.
  Mede cerca de 12 centímetros e pesa cerca de 10,5 gramas. Possui o lado inferior amarelo e o superior verde-oliváceo, sobrancelha esbranquiçada, realçada por uma faixa anegrada por baixo e por cima, faixa medial no pileo cinzento-avermelhada.
  Alimenta-se de insetos capturados na superfície de ramos e folhas.
  NA FAZENDA MODELO DE PEDRO LEOPOLDO FOI VISUALIZADO NO BAMBUZAL LOCALIZADO JUNTO AO CARRINHO DE ÁGUA DE CÔCO VERDE, MUITO BEM CUIDADO E HIGIÊNICO, DO ""CRISTIANO DO GARIMPO"",  do lado direito da pista de caminhada, após aoportão de entrada dos domínios da FM de PL...

   O ninho, em forma de tigela, é feito no solo, entre a vegetação, sendo confeccionado com capins muito finos; a câmara incubatória é acolchoada com talos finos de cortiças. Os 2 ou 3 ovos são brancos, com uma larga coroa  de pontos azul-cinzentos misturados a outros de cor-de-vinho e medem 17 por 12 milímetros.
   É um pássaro bastante inquieto, daí seu nome popular. Vive no interior de florestas úmidas e secas, capoeiras e cerradões, a média altura. É bastante comum em bandos mistos  de aves, sendo indicado por muitos estudos como espécie regular e responsável pela coesão do bando.
  Segundo Helmut Sick, ocorre do México e América Central, através da maior parte da América do Sul, à Bolívia, Paraguai, Argentina, Uruguai, Brasil setentrional (Roraima), Brasil oriental (Maranhão ao Rio Grande do Sul) e Brasil central (Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Cachimbo no sul do Pará e Goiás).

 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

  • SICK, H. Ornitologia Brasileira, uma Introdução. 2ed, Brasília: Universidade de Brasília, 1986.

quinta-feira, 19 de dezembro de 2013

"CURITIÉ"...AVE DE NÚMERO 166 do DOSSIÊ FAZENDA MODELO...

Nome Científico:  Certhiaxis cinnamomeus 




  O curutié é uma ave passeriforme  da família Furnaridae. Conhecida por vários nomes populares, como: casaca-de-couro, curuira-do- brejo, corrucheba.
  Seu Nome significa: do (grego) khertios, certhiaxis = pequeno trepador de árvores; e do (latim) cinnamomeum, cinnamomeus = da cor do cinamomo, cor de canela. ⇒ Pequeno trepador de árvores da cor de canela. 
  Geralmente o furnarídeo paludícola  mais freqüente. Sempre foi visualizado nos estratos baixos de vegetação na FAZENDA MODELO, ora pousado na cerca, ou pousado nos baixíssimos pés de goiabeira. O local para visualizá-lo na FAZENDA MODELO DE PEDRO LEOPOLDO (MG), é bem próximo do portão de acesso aos domínios da FAZENDA MODELO.  


  FILME SOBRE UMA COMPETIÇÃO DE OBSERVAÇÃO DE AVES NOS EUA. UMA INTENSA ROTA DE OBERVAÇÃO DA AVE FAUNA INCENTIVOU PRÁTICAS DE TURISMO ECOLÓGICO NOS EUA.... UMA CÓPIA DO FILME FOI DOADA AO DOSSIÊ FAZENDA MODELO PELO CASAL CARLOS RENATO e PRISCILA, TRADICIONAIS PRATICANTES MATINAIS DE CAMINHADA NA FAZENDA MODELO DE PEDRO LEOPOLDO ....

   Tem o aspecto de um ""joão tem nen nen"" de cauda longa bem rígida. As partes superiores pardo ferrugíneas, partes inferiores esbranquiçadas, mento com uma manchinha amarelo-sulfúrea que pouco se destaca à distancia. Mede cerca de 14 cm.
Duro “krip”; estrofe monótona, dura e descendente terminalmente, lembrando avoz da sanã parda  (Laterallus melanophaius), mas de menor volume (canto); o casal canta em dueto.
  Sua alimentação consiste de insetos e suas larvas, aranhas, opiliões e outros artrópodes e moluscos.
  Constrói seu ninho  (feito de gravetos), em pequenas moitas próximo à ambientes aquáticos. O ninho é preso em forquilhas e galhos laterais, com a forma de uma garrafa deitada com o bojo redondo. Procria praticamente todos os meses do ano, botando 3 ovos creme-claros. Os filhotes nascem após 14 a 15 dias de incubação e com cerca de 18 dias abandonam o ninho.
HÁBITOS DE VIDA:
Vive nas proximidades de ambientes aquáticos. Locomove-se no solo pulando quando está a procura de alimento. 
Ocorre da Colômbia e Guianas à Bolívia, Argentina, Paraguai e Uruguai e em todo o Brasil.

  REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

CATÁLOGO DAS 186 ESPÉCIES DE AVES CATALOGADAS EM PEDRO LEOPOLDO.





                     

BEIJA FLOR BESOURINHO DE BICO VERMELHO.
Nome Científico: Chlorostilbon lucidus ( Shaw, 1812 )
VISUALIZAÇÃO na PONTE de MADEIRA, SOBRE O EX CÓRREGO DA FAZENDA MODELO.
DATA DA CATALOGAÇÃO: DOMINGO DIA 12 de OUTUBRO de 2015. 




           CATÁLOGO DE ESPÉCIES DE AVES DESCRITAS NO AVE FAUNA DE PEDRO LEOPOLDO.

 RELAÇÃO DE NOMES VULGARES.
 DATA DO INÍCIO DO ESTUDO: 28/11/2012 . 
ATÉ:  12 DE OUTUBRO DE 2015.
TOTAL DE: 186 ESPÉCIES DE AVES CATALOGADAS.
METODOLOGIA: CARACTERIZAÇÃO SECUNDÁRIA SEM CAPTURA.

I . CATÁLOGO DE  ESPÉCIES DE AVES  DA FAZENDA MODELO.

PARTE I. RELAÇÃO DE AVES PASSERIFORMES.

1. BIGODINHO
2. TICO TICO
3. O VIRA BOSTA
4. SABIÁ LARANJEIRA
5. SABIÁ DO CAMPO
6. LAVADEIRA MASCARADA
7. CANÁRIO DA TERRA
8. JOÃO DE BARRO
9. JOÃO GARRANCHO
10. SANHAÇO CINZENTO.
11. TESOURINHA
12. TISIU
13. DO RÉ MI
14. CAMPANHIA AZUL
15. SAÍRA AZUL
16. SAÍRA AMARELO
17. COLEIRINHA
18. CORRUÍRA DE CASA.
19. SANHAÇO DO COQUEIRO VERDE.
20. SAÍ ANDORINHA.
21. JAPÚ.
22. CABOCLINHO.
23. CANÁRIO DO CAMPO.
24. TICO TICO RATO DO CAMPO.
25. JOÃO DO RIACHO.
26. PÁSSARO PRETO DE ASA VERMELHA.
27. TANGARÁ.
28. ARAPAÇÚ GRANDE.
29. SUIRIRÍ DA GARGANTA CINZA.
30. SUIRIRÍ DA GARGANTA BRANCA.
31. CHUPA DENTE.
32. ARARIMBÁ.
33. BENTIVIZINHO ANÃO.
34. BEM TI VI MÉDIO.
35. BEM TI VI RAJADO.
36. BEM TI VI GRANDE.
37. ARAPAÇÚ DO CERRADO.
38. CURIÓ.
39. BICO DE LACRE.
40. SABIÁ BARRANQUEIRO.
41. ANDORINHA.
42. SABIÁ POCA.
43. ROLINHA.
44. PARDAL.
45. GRALHA DO CAMPO.
46. ALMA DE GATO.
87. CHOPIN DO BREJO/CHOPIN AMARELO MINEIRO.
88. PAPINHO AMARELO.
89. PAPA CAPIM DE COSTAS CINZA.
90. FIGUINHA DE RABO CASTANHO.
91. SUIRIRÍ PEQUENO.
92. ROLINHA ROXA CABOCLA.
96. FIM-FIM.
97. JURIVIÁRA.
98. CAGA SEBO.
99. PARDAL.
100. CARDEAL
109.GUARACAVA DE BARRIGA AMARELA.

110.CHORÃO OU BOIADEIRO.
111.GARRINCHINHA.
112. SUIRIRI CAVALEIRO.
113. CIGARRA DO CAMPO.
114.SANHAÇO DE COLEIRA.
115. CANELEIRO VERDE.
116.GATURANO VERDADEIRO.
119.ANDORINHA DE BANDO. 
121.SABIÁ BARRANCO. 
124. CHOQUINHA DO PEITO PINTADO.
126.CATATAU.
127. MARIA PRETA DO BICO AZULADO.
130.SABIÁ DE COLEIRA.
132. CHOQUINHA CARIJÓ.
133. CHOCA BORRADA. 
134.VITE-VITE.
135. VERDINHO COROADO.
136. TREPADORZINHO.
137. BEM TI VI NEI NEI.
138. ANDORINHÃO DO TEMPORAL. 
140. BAIANO.
141. COLEIRA DO BREJO. 
142. GUARACAVA DE BARRIGA AMARELA.
143. ALEGRINHO.
144.GRITADOR.
145. CAMBACICA.
146. SABIÁ CAPEIRÃO (POCA)...
147. RISADINHA.
148.CHOCA DA MATA.
149.PIPIRA PRETA. 
151. SAÍ CANÁRIO.
152.PAPA MOSCAS DO CAMPO. 
153. PITIGUARÍ.
155. PEITICA.
158. ANDORINHA DOMÉSTICA GRANDE. 
159. TESOURINHA.
162. BEIJA FLOR TESOURA.
163. BEIJA FLOR DO RABO BRANCO ACANELADO. 
164. PAPA CAPIM DE COSTAS CINZA.
165. PIA COBRA.
166.CURUTIÉ.
167. PULA -PULA DO BAMBU.
168. NEI NEI.
172. ARARIMBA de CAUDA RUIVA.
173.CUITELÃO.
174. TIÊTINGA.
175. SARACURA DO BANHADO
176. PAPAGAIO CURICA
177. CURICACA.
178. GAVIÃO PATO.
179. MERGULHÃO PEQUENO.
180. PICA PAU ANÃO de COLEIRA.
181. PICA PAU DE TOPETE VERMELHO.
182. SAÍRA DE CHAPÉU PRETO.
183. BEIJA FLOR BESOURINHO DE BICO VERMELHO.
184. VIUVINHA.
185. PRÍNCIPE.
186. BEIJA FLOR PRETO.






PARTE II. OUTRAS ORDENS DE AVES

47. ASA BRANCA OU POMBA VERDADEIRA.
48. MARTIM PESCADOR
49. GARÇAS MOURA
50. GARÇA BOIEIRA
51. GARÇA BRANCA PEQUENA
52. GARÇA BRANCA GRANDE
53. GARÇA CINZENTA
54. PERIQUITO VERDE
55. MARITACAS
56. PAPAGAIOS VERDADEIRO.
57. SIRIEMA
58. TUCANO TÔCO.
59. GAVIÃO CARRAPATEIRO OU CARIJÓ.
60. GAVIÃO ANÃO QUIRIQUIRÍ.
61. GAVIÃO PERNILONGO.
62. URUTAU
63. PICA PAU DO CAMPO.
64. PICA PAU VERDE BARRADO.
65. PICA PAU ANÃO.
66. TUINS.
67. MARITACAS.
68. GARÇA MARIA FACEIRA AMARELA.
69. CORICORÓ.
70. PATO DO MATO.
71. BIGUÁS.
72. BIGUATINGAS.
73. INHAMBÚ CHITÃ.
74. CODORNA AMARELA.
75. SARACURA.
76. CORUJINHA DO MATO.
77. CURIANGO/ BACURÁU.
78. ANÚ BRANCO.
79. ANÚ PRETO.
80. TRINCA FERRO VERDADEIRO.
81. MARIA CAVALEIRA DE RABO ENFERRUJADO.
82. MARTIM PESCADOR PEQUENO.
83. GAVIÃO MIÚDO.
84. PERIQUITO REI.
85. PERIQUITO DE ENCONTRO AMARELO.
86. MACUCO.
93. GAVIÃOZINHO.
94. GAVIÃO CABOCLO.
95. GAVIÃO SOVÍ.
101. MARTIM PESCADOR GRANDE. 

102.JACÚ.
103. GAVIÃOZINHO.
104. SOVÍ.
104. CABURÉ FERRUGEM.
105. URUBÚ DA CABEÇA PRETA. 
106. GARÇA REAL.
107. FALCÃO CABURÉ.
108. FRANGO D'ÁGUA COMUM. 
109. GAVIÃO CARCARÁ.
118.MARTIM PESCADOR VERDE.
120.MAÇARICO DE PERNA AMARELA.
122. PICA-PAUZINHO DE TESTA PINTADA
123. CORUJINHA DO MATO. 
125. TAPICURÚ DE CARA PELADA. 
128. ÁGUIA PESCADORA CANADENSE. 
129.CABEÇA SECA. 
131. SOCOZINHO. 
139. ARARINHA NANICA.
148. CARÃO.
150. GAVIÃO POMBO ( DO DADÁ).
154.JOÃO BOBO. 
156. JAÇANÃN. 
157. SAVACÚ. 
158. FIM FIM.
160. ANÚ BRANCO PEIXE FRITO.
161. ANÚ PRETO COROCA. 
162. QUERO QUERO.
163. PICA PAU BRANCO BIRRO. 
169. IRERÊ...
170. GARÇA AZUL...
171. PERNILONGO DE COSTAS BRANCAS. 


                                                          AVE FAUNA DE PEDRO LEOPOLDO. 
                                           COORDENAÇÃO:  Pr Dr. Gisnaldo Amorim Pinto.
                                              PEDRO LEOPOLDO. MINAS GERAIS. BRASIL.
                                                         gisnaldoster@gmail.com.
                                            http://avifaunapedroleopoldo.blogspot.com.br/







terça-feira, 10 de dezembro de 2013

""NEI NEI""...AVE DE NÚMERO 168 do DOSSIE FAZENDA MODELO.

    
Nome Científico: Megarynchus pitangua 



    VAI BEM TI VI NEI NEI....
    VAI E VEM NEI NEI, MEU NENÉM,
    VOU TE EMBALAR NO COLO...
    DO MEU REFÚGIO FAZENDA,
    
    MEU LATIFÚNDIO...
    AHHH....MEU LATIFÚNDIO???
    UAI...UAI...UAI..UAI...
    MEU CANTEIRINHO DE COUVE.

    LÁ VEM BEM TI VÍ DE GAMELA...
    PRÁ TOMAR BANHO COM O VELHO,
    MOLHADOR DOS BEM CHATO,
    CHEGA JUNTO O BEM TI VI BICO DE PATO...

    MOLHA ÁGUA! POIS HOJE VEIO O  PITANGUÁ.
    MIGRANTE VOANDO DA AMAZÔNIA CHEGOU,
    PRÁ ALIVIAR SUA FEMEA AFLITA PITANGUÁ-AÇU,
    QUE FICOU LÁ, PRÁ CUIDAR DOS FIOTES DE PITANGOÁ.  

    BEM TI VI NEI NEI...
    UM BEM TI VI DO MATO,
    E É TAMBÉM NO MEU CANTEIRO LATIFÚNDIO,
    BEM TI VI DO BICO CHATO.

     POETA SAPATO VELHO AMORIM PINTO.

     


     Você Lembra..Lembra...
     Daquele tempo eu tinha...
     Estrelas nos olhos, e um jeito de herói,
     E era mais forte e veloz,
     Que qualquer mocinho de COWBOY. (ROUPA NOVA-SAPATO VELHO) 


        À primeira vista muito parecido com o bem-te-vi, dele se distinguindo pelo bico nitidamente maior, o que motivou o nome do gênero, e principalmente pela voz, claramente diferente, que lhe valeu o nome onomatopéico. Costuma-se encontrar esta espécie em  paisagens abertas com árvores espassas e cerrados.As bordas de matas são seus locais prediletos, inclusive na FAZENDA MODELO de PEDRO LEOPOLDO, foi vizualisado principamente bem próximo ao PARQUE DE EXPOSIÇÕES ASSIS CHATEUBRIANT, pois trata-se de uma área mais urbanizada e o nei nei frequenta bastante áreas urbanas, onde ainda há quintais com frutos maduros. Como trata-se de uma AVE MIGRATÓRIA proveniente do NORTE DO BRASIL, chega no REFÚGIO DA FAZENDA MODELO DE PEDRO LEOPOLDO em meados de NOVEMBRO, quando chega o verão.  

     Conhecido pelos seguintes nomes: bem-te-vi-bico-de-gamela (PE), bem-te-vi-do-bico-chato (SP), bem-te-vi-do-mato (SP), bem-te-vi-do-mato-virgem, bem-te-vi-gamela (CE) bem-te-vi-gameleiro (MG), bem-te-vi-pato (ES), pintangoá, pitanguá e pitanguá-açu (Amazônia), siriri . 

    Bico extremamente largo e chato, que é, aliás, muito variável; tem o tarso muito curto. Ave que lembra muito o bem ti vi (Pitangus sulphuratus) mas seu bico é muito robusto e sua vocalização difere totalmente. Os dois únicos meios de diferenciar o nei-nei são pela vocalização, bem diferente da vocalização do bem ti vi, ou pelo tamanho do bico, que é bem maior que o do bem-te-vi. O problema é que o bico é mais largo que comprido então seu tamanho chama mais atenção quando visto por baixo do que de perfil. Mede cerca de 21cm.
   Seu grande bico o ajuda a apanhar os insetos e as frutinhas dos quais se alimenta. Já foi visto pescando pequenos peixes e caçando pequenos lagartos e filhotes de outras aves.
   A fêmea é encarregada da construção do ninho, que é uma tigela rasa feita de gravetos e grama, enquanto o macho traz o material. Ninho pequeno e situado nas partes altas das árvores isoladas. A fêmea bota 2 ou 4 ovos claros com pequenas manchas e os choca sozinha. Os pais se revezam na alimentação dos filhotes, que saem do ninhos após 23 a 26 dias.
   Ave migratória, sendo encontrada nos meses mais quentes do ano. O casal tem o hábito de cantar em dueto, porém este é mal sincronizado. Apesar da aparência quase idêntica ao seu primo bem-te-vi, o nei-nei se comporta de forma um tanto diferente. É muito mais tímido, sendo mais fácil de ouvir que ver, pois passa a maior parte do seu tempo na copa das árvores.
   É migratório em algumas regiões.


 

Referências Bibliográficas: